A Força dos Cidadãos fará Frente as Forças da Velha Política

Delegado Alessandro Vieira junto com Dr. Emerson e o vereador Américo de Deus

Nesse domingo, 29.07, ocorreu a Convenção Eleitoral da Rede Sustentabilidade que homologou as candidaturas de Emerson Ferreira ao Governo e do delegado Alessandro Vieira ao Senado e demais candidaturas proporcionais.

O delegado Alessandro Vieira em seu discurso destacou a força dos cidadãos em frente ao que ele destaca como a velha política e menciona que será o poder dos cidadãos que fará a diferença nesse pleito eleitoral em detrimento das práticas e forças tradicionais da política.

Em suas palavras, o delegado Alessandro Vieira afirma que o pleito será difícil, mas que a REDE está pronta para o embate.

Leia a integra de todo o seu discurso:

“Eu começo agradecendo muitíssimo pela presença de todos vocês.

É um domingo de sol em Aracaju, não é fácil dedicar tempo para a política, para conversar sobre assuntos sérios e vocês estão aqui sem nenhum CC, sem nenhuma vantagem, sem nenhum transporte.

Agradeço demais a presença de todos vocês aqui.

Essa caminhada pela política partidária, que é nova para mim, se inicia aqui na REDE e vem mostrando sucessivos desafios e sucessivas oportunidades de crescimento. Talvez esse momento aqui sinalize a concretização da decisão do partido para uma candidatura ao senado. Sinaliza uma inovação em termos de propostas, candidatos todos eles ficha limpa, todos eles comprometidos com a mudança. Mas precisamos fazer uma reflexão, aproveitando o momento bastante oportuno que temos aqui.

É preciso cada vez mais que a gente se disponha a enfrentar e derrubar os muros e as paredes dos palácios que são construídos para reservar e concentrar o poder.

As pessoas comuns são mais importantes que as autoridades, essas pessoas são mais importantes do que os partidos também. São as pessoas comuns, cada um de vocês que paga suas contas, que trabalha, que se esforça e que quer o melhor para seus filhos. É o cidadão comum que pode fazer a diferença no Brasil.

Nós precisamos, digo com a mais absoluta certeza, enfrentar esta batalha tão difícil juntos. Lado a lado com as pessoas comuns, com gente de verdade.

Vocês viram a lista de candidatos que a REDE apresenta. São pessoas de verdade. Não tem candidato pré-fabricado, não tem produto de marketing. Não tem filho, não tem neto, não tem parente de político importante.

Política aqui na REDE é sem dúvida nenhuma uma ferramenta para mudança da sociedade. Nós precisamos fazer esta reflexão e abraçar isso.

Eu fico completamente contemplado quando a REDE faz esse primeiro movimento de quebrar barreiras e derrubar muros do poder, abrindo as portas dos espaços políticos para movimentos como o Frente Favela Brasil e o Acredito, trazendo inovação e renovação. E Marina Silva representa exatamente isso, quando com muita clareza ela abraça os movimentos de renovação.

Eu também fico muito feliz quando através da REDE a Bahia consegue ter a primeira candidata negra ao governo do estado, porque quando a mulher negra se levanta toda a sociedade se movimenta. E esse lugar de fala é delas. Eu faço essa referência respeitosa porque me sinto contemplado com a presença de uma mulher negra no controle do partido REDE e se Deus quiser no controle na nação. Essa inovação social se dá passo a passo. É um esforço muito grande, uma batalha muito difícil.

Quem já me conhece aqui em Sergipe mais de perto sabe que não sou de dourar pílula, não sou de sorriso fácil e não sou o cara que vai dar tapinhas nas costas de todo mundo. Eu não posso garantir para ninguém que nossa caminhada será facilitada, eu não posso garantir para ninguém que vai ser fácil mudar um sistema tão difícil e tão enraizado como este que nos aprisiona. Mas eu posso garantir que nós vamos fazer essa caminhada juntos, com toda a força, com toda a seriedade e com toda a integridade que se pode ter.

Porque essas pessoas que estão aqui sabem e têm totais condições para fazer a diferença.

Nós vamos enfrentar gigantes. Nós vamos enfrentar um sistema que está enraizado no Brasil desde o descobrimento e que se alicerça na corrupção, que se alicerça na exploração do mais fraco, que se alicerça na apropriação dos espaços políticos para fazer dinheiro e para concentrar poder. Em Sergipe nós temos as mesmas famílias tomando conta do Estado, dos nossos destinos, desde o regime militar. Três ou quatro homens, todos hoje com mais de 75 anos, comandando Sergipe e levando Sergipe para onde ele está, um buraco que parece não ter fundo.

O pior Estado na segurança pública, na saúde e na educação e isso não se justifica porque o povo sergipano não merece isso. Essas pessoas não nos representam e precisamos nós mesmos ocupar esse espaço.

Estou fazendo minha parte colocando a minha pré-candidatura ao senado, abraçando a pré-candidatura de Dr. Emerson ao Governo, de Marina à Presidência da República. Abraçando cada um de nossos candidatos proporcionais. Cada um de vocês vai ter a companhia, o apoio e o esforço, lado a lado, para que possamos fazer a diferença nos bairros, nas comunidades, no interior e na capital. Porque é conversando gente com gente que vamos mudar o Brasil. Não vai ser pela força do marketing, não vai ser pela força do dinheiro.

É fácil? Não, não é. Mas é urgente, é necessário e é inadiável. E nós temos a chance de fazer a diferença.

Para quem gosta de histórias bíblicas, tem uma bonita que fala da luta entre Davi e Golias. Todo mundo conhece. O pequeno Davi, que era um pastor, enfrenta um gigante guerreiro que vem oprimir seu povo. Um passo atrás nessa história é que nos traz uma questão essencial para entender esse momento que vivemos aqui:

Por que Davi enfrentou aquela batalha? O que fez com que o pastor saísse de sua atividade rotineira e fosse enfrentar aquela batalha contra um guerreiro famoso?

Golias tinha as melhores armas, era maior, era mais forte, mas Davi teve a compreensão de que era necessário fazer o enfrentamento naquele momento.

E ele usou a melhor arma de todas que é a fé inabalável em Deus e na verdade e venceu a batalha.

Aprendemos que com fé e verdade é possível sim fazer a diferença.

Nós temos as ferramentas necessárias para fazer a diferença em Sergipe que são as pessoas, são vocês.

Ter a minha foto neste painel gigante atrás de mim não me faz diferente ou melhor do que vocês. Eu sou apenas mais um de vocês que enfrenta a batalha em uma outra posição, em uma linha de frente.

E eu não vou conseguir fazer nada sozinho, então eu convido todos vocês, eu convoco todos vocês para abraçar esse momento.

Esta é a hora do Brasil mostrar o que quer ser. Esta é a hora de Sergipe mostrar que Estado pretende ser. Esta é a hora de cada um de nós mostrar o que deseja para sua família.

Meus filhos estão aqui, minha esposa, minha mãe e o que eu quero para eles, o que eu quero para todos nós, é um Brasil e um Sergipe mais justo, mais inclusivo, onde se respeite a lei, mas que essa lei valha para todos.

Chega do tempo em que a força da lei só vale para os pobres. Nós precisamos fazer um aberto enfrentamento dos privilégios e da corrupção no Brasil. É a raiz do nosso mal. É o que sustenta esse bando de incompetentes montados no poder por décadas, desperdiçando ou roubando nosso dinheiro e se apropriando do nosso futuro.

Podemos fazer isso, vamos fazer isso juntos e eu acredito muito na nossa vitória.

Vamos em frente!”

Dinossauro é Renovação? Se Ligue!

O delegado Alessandro Vieira escreve esse pequeno artigo com o intuito de alertar os cidadãos para os políticos velhos que vêm com discursos fabricados como “novo”.

Cuidado, este ano os perigosos dinossauros não estarão apenas nos cinemas. Eles também estarão nas propagandas eleitorais e nas urnas. Vão tentar esconder com toneladas de marketing as garras afiadas e o apetite insaciável por dinheiro e poder.

Vamos assistir dinossauros de diversos tamanhos e idades envergando fantasias especialmente desenhadas para iludir o eleitorado. Teremos figuras viciadas em cargos comissionados falando sobre gestão moderna e meritocracia e personagens notórios das páginas policiais alardeando a defesa da Segurança Pública e do combate à corrupção.

São apenas peças de ficção construídas com muito dinheiro arrancado do nosso bolso através dos fundos eleitoral e partidário e muitas vezes através da corrupção.

Nestas eleições, deixe a ficção de lado e escolha gente de verdade. Procure informação e encontre gente nova, honesta e comprometida com as ideias que você defende.

Tem muita gente boa que está disposta a encarar o sistema e lutar para mudar a nossa vida para melhor. O Brasil tem jeito, só depende de nós.

“Aceitei o desafio de enfrentar o sistema e não estou só”, escreve o delegado Alessandro Vieira

 

Delegado Alessandro Vieira

Meu artigo foi publicado na íntegra pelo jornalista Claudio Nunes em sua coluna na Infonet, confira no link abaixo:

“Eu acredito nesta renovação e cada vez mais gente acredita comigo. Vamos juntos fazer a faxina que o Brasil e Sergipe tanto precisam.” Delegado Alessandro Vieira

No Brasil, e em Sergipe mais ainda, vivemos um imenso distanciamento entre nós, cidadãos comuns, e a elite política que nos governa há décadas. Não sabemos com clareza o que eles fazem com a montanha de dinheiro que arrancam dos nossos bolsos através da cobrança de impostos e também não sabemos as razões para tanta ineficiência e corrupção. Os nossos problemas ficam cada vez mais graves e as pessoas que concentram o poder capaz de resolver não fazem nada ou fazem muito pouco.

Ficamos vendo inertes as mesmas pessoas, por décadas a fio, fazendo exatamente as mesmas coisas e acumulando riqueza e poder. Assistimos a política que deve servir o cidadão ser transformada em negócio lucrativo a serviço de famílias tradicionais ou grupos econômicos, enraizados desde o período militar.

Até alguns meses atrás, eu também fazia parte da grande massa que sofre e fica indignada, mas não sabe como colaborar para uma mudança real e de grande impacto. Através do meu trabalho como policial e do meu exemplo, me esforçava para fazer ao máximo as coisas corretas, mas a velha política sempre se colocava como obstáculo intransponível para as novas idéias e a inovação.

Fiz da indignação coragem e rompi a barreira da inércia.

Como primeiro passo, fui buscar capacitação para efetivamente impulsionar a mudança. Encontrei o RenovaBR, programa que me acolheu após um rigoroso processo seletivo nacional. Tive acesso a grandes especialistas do Brasil e do exterior, falando sobre alguns dos temas mais importantes das nossas vidas, e encontrei mais de uma centena de pessoas muito especiais, vindas de todos os cantos do país com histórias de vida inspiradoras e muita coragem para enfrentar o sistema.

De logo ficou claro que, em uma democracia, a transformação desejada deve ocorrer sempre no campo da política e, portanto, é preciso participar do processo eleitoral e se mostrar como alternativa real ao sistema envelhecido que trava o Brasil e empurra Sergipe cada vez mais no fundo do poço.

Tomei coragem e fiz isto. Procurei um partido que me garantisse o requisito mais básico na minha concepção: a certeza de que nunca caminharia ao lado dos tantos corruptos e oportunistas que infestam a política tradicional. Encontrei a Rede, um partido jovem e comprometido com a construção de uma política muito diferente da tradicional, e na Rede parceria forte para essa missão urgente, a renovação da política sergipana.
Também encontrei o Movimento Acredito, outra iniciativa nacional que me abraçou como membro e reforçou ainda mais a energia e o leque de competências indispensáveis para fazer a diferença.

Com essa base, fiz o lançamento da pré-candidatura ao Senado, representando uma iniciativa de verdadeira renovação política, baseada na transparência, no combate irrestrito à corrupção e na devolução do poder e dos recursos aos seus verdadeiros donos, os cidadãos comuns.

O desafio é imenso. A reação natural dos velhos políticos é de menosprezo.

Como uma pessoa comum, sem dinheiro ou padrinhos, vai conseguir enfrentar adversários que vão contar com uma máquina fisiológica recheada de CC’s, que vão utilizar milhões de reais tirados dos cofres públicos através de leis absurdas com a que criou o bilionário fundo eleitoral e também, eventualmente, outros tantos milhões de reais oriundos da corrupção e do caixa 2?

Como enfrentar a diferença brutal no tempo de propaganda eleitoral destinado para candidatos tradicionais e candidatos da renovação?

A resposta é simples, embora não seja fácil.

A primeira coisa é entender que não é possível fazer nada sozinho, a luta precisa ser coletiva. Unir as pessoas que querem mudar de verdade é o primeiro passo, para juntos enfrentarmos esse sistema monstruoso fazendo tudo diferente.

Se eles arrancam do bolso do cidadão dinheiro para fundos partidário e eleitoral, nós não vamos usar este recurso. Não vamos usar nenhum centavo de dinheiro público na nossa caminhada.

Se o objetivo deles é permanecer agarrados eternamente ao poder, vamos assumir o compromisso público e formal da não reeleição. Se for escolhido pelo eleitor sergipano, vou cumprir apenas um mandato como Senador.

Se eles usam e abusam dos privilégios garantidos para senadores, como aposentadoria especial, plano de saúde infinito e perpétuo, um volume enorme de verbas de gabinete e dezenas de assessores, vamos firmar de imediato o compromisso de renúncia aos privilégios e de redução de no mínimo 50% no número de assessores e no custo geral do gabinete. Essas ações representam uma economia para os cofres públicos de mais de 10 milhões de reais ao longo do mandato.

Se eles utilizam o acesso ao orçamento da União, através das emendas, para negociação política e eventualmente para a corrupção, vamos garantir que seja o cidadão quem vai decidir quais são os projetos e localidades que serão contempladas. Decisão direta, através de um aplicativo na internet, onde o cidadão que é o dono verdadeiro do dinheiro vai escolher o seu destino e fiscaliza a aplicação.

Se hoje é impossível saber com clareza o que fazem os senadores, quantas horas e dias trabalham e quais são os seus objetivos reais, vamos apresentar no início do ano o plano de atividade do mandato, indicando com transparência o que se pretende fazer, com prestação de contas diária e agenda pública, sempre que possível transmitida ao vivo pela internet.

Se a política tradicional se estrutura com a contratação de cabos eleitorais e lideranças, além da sempre falada compra de votos, vamos concentrar nossa ação no trabalho de voluntários, pessoas comuns que também acreditam na mudança.

Fazendo tudo diferente desde o início, vamos garantir as condições para fazer a diferença de verdade na vida das pessoas.

Chega daquela política velha e cínica, capaz de qualquer acordo ou negócio para vencer uma eleição.

Eu acredito nesta renovação e cada vez mais gente acredita comigo. Vamos juntos fazer a faxina que o Brasil e Sergipe tanto precisam.

Precisamos devolver o Brasil aos brasileiros, escreve o Delegado Alessandro Vieira

Frase de JK quando planejou Brasília

Quando criou Brasília, JK pensava assim. Até agora, é preciso reconhecer que não funcionou. O cérebro das grandes decisões nacionais se dedicou a construir castelos de poder distantes do povo e a sugar os recursos dos brasileiros através da maior carga tributária do mundo. A fé inquebrável e a confiança sem limites deram lugar à descrença e à apatia, frutos do descaso secular da elite política para com os verdadeiros interesses da população. É preciso resgatar com urgência o sentimento de que é possível no Brasil alcançar uma sociedade mais justa, segura e próspera. Só vamos conseguir isto com uma renovação política efetiva, trocando a velha elite por pessoas comuns. Gente que tem projetos para melhorar a vida de todos e não apenas dos escolhidos pelo sistema. Cada vez mais encontro pessoas indignadas com a nossa realidade e dispostas a mudar. Vamos juntos fazer do futuro sonhado pelo JK há seis décadas uma realidade presente. Eu acredito e não caminho só.
#RenovaBR, #MovimentoAcredito, #DelegadoAlessandro, #REDE

 

O limite de tolerância do brasileiro

Alessandro Vieira: Existe esperança. Eu acredito e muitos ao meu lado também acreditam.

A paralisação dos caminhoneiros demonstra que o brasileiro se afasta cada vez mais do perfil inerte e acomodado, historicamente definido.

Por décadas, os sucessivos governos vêm tratando os cidadãos como gado. Caos econômico, corrupção, a maior carga tributária do mundo, desemprego, educação e segurança abandonados. Os desastres se acumulam e os políticos tradicionais continuam a se comportar como deuses em um Olimpo particular.

Continuam a acreditar que estão em um patamar distante e inatingível para os comuns, todos nós. Confiam que a força do dinheiro e do marketing irresponsável vai iludir os eleitores a cada 2 anos, com argumentos que passam pelo velho “rouba mas faz”, obras que nunca sairão do papel e populismo rasgado.


Além destas estratégias, a compra de votos e o estímulo à abstenção se somam para deixar tudo como está.
Este é o retrato triste de uma elite política que se perpetua no poder a décadas e que desrespeita profundamente a inteligência e a ética do cidadão comum.


Mas existe esperança. Eu acredito e muitos ao meu lado também acreditam.


O Brasil está mudando, o brasileiro também. O nível de agressão cotidiana que sofremos, os reiterados tapas na cara que essa elite corrupta nos dá, isto tudo está acordando as pessoas e gerando reações, como a paralisação dos caminhoneiros.


Por conta da roubalheira na Petrobrás, realizada para manter essa mesma elite no poder, os aumentos sucessivos nos preços dos combustíveis superam mais de 10 vezes o percentual da inflação no período de 12 meses. É absurdo, violento e ataca o bolso dos consumidores de uma forma intolerável.


Precisamos dar um passo adiante e canalizar essa indignação crescente e incontrolável, essa dor típica de quem é vítima de uma agressão injusta, para uma reação forte e com efeitos reais nas nossas vidas. Vamos reagir nas urnas!
Temos um nível de informação nunca visto na nossa história, todos sabem perfeitamente como funciona o mecanismo cruel de manutenção de corruptos e incompetentes no poder e o quanto isso custa para nós.


Temos também gente nova disposta a enfrentar o sistema e lutar para mudar esse cenário. Em Sergipe, apenas nesta eleição para o Senado que se aproxima, é possível mandar para casa de uma só vez Jackson Barreto (MDB), André Moura (PSC/Temer), Pastor Heleno (PRB), Rogério Carvalho (PT) e tudo que representam em termos de atraso.

Basta o nosso voto, basta ver e ouvir a verdade que grita ao nosso redor: o limite de tolerância do brasileiro acabou.
Eu acredito. Não estou só. Cada vez mais gente vai acreditar.

Capitão Oliveira, Sergipe perdeu um guerreiro do bem

O Capitão PM Oliveira, comandante da Companhia Especializada de Caatinga, foi covardemente assassinado em uma emboscada. Era um profissional extraordinário e se destacava no cenário mais duro do combate ao crime em Sergipe. Mesmo com todas as dificuldades, a Caatinga sempre atuou com firmeza na defesa do sertanejo, seguindo o exemplo de seu comandante. Buscaram o crime à traição, pois o bandido covarde sabe que não teria chance no combate frontal com o Capitão. Esse assassinato é um atentado contra toda a sociedade, é a declaração trágica da falência de Sergipe. Confio na polícia sergipana, que unida fará seu trabalho e devolverá ao cidadão a esperança de Justiça. Os covardes vão conhecer a força de quem arrisca a vida 24h em defesa da sociedade e não se intimida com bandido algum. Força e Honra. Que Deus ampare a família e ilumine os caminho do Capitão.

Sobre o fechamento da Fafen e o comportamento da velha política

Alessandro Vieira: “a velha política se recusa a compreender os fatos e a dialogar com a população”

“O possível fechamento da FAFEN mostra o retrato perfeito da falência das nossas lideranças políticas”, salienta o Delegado Alessando Vieira.

Confira o posicionamento do Delegado Alessandro Vieira sobre a possibilidade de fechamento da Fafen no link abaixo:

Sobre o fechamento da Fafen e o comportamento da velha política

Alessandro Vieira: “Marielle Franco foi executada por ser diferente e fazer a diferença”

Marielle Franco, vereadora do PSOL no Rio de Janeiro

O assassinato da vereadora Marielle Franco representa mais uma etapa triste na crescente tragédia nacional que é a violência urbana.

Confira o posicionamento do Delegado Alessandro Vieira em relação ao assassinato da vereadora Marielle Franco no link abaixo:

“Marielle Franco foi executada por ser diferente e fazer a diferença”